A flexibilidade da doutrina socialista

Os fatos da revolução russa mostram que Lênin e seus amigos bolcheviques não eram só psicopatas assassinos: eles realmente acreditavam que estavam fazendo o certo.

Talvez depois de um tempo o foco deles tenha mudado mais para o lado de se preocuparem menos com a vida e o bem-estar dos outros do que com eles mesmos, mas não houve uma mudança fundamental.

Ao mesmo tempo, a doutrina socialista na qual eles acreditavam era enormemente flexível, assim como a dos esquerdistas de hoje. É a mesma doutrina: uma coleção de slogans que pode ser adaptada para apoiar ou ir contra qualquer outra tese ou ação.

Me parece que a justificativa que eles encontraram para fazer tantas coisas claramente ruins vem dessas mesma flexibilidade. Os atos cruéis estavam todos justificados pela mesma coleção de slogans socialistas de sempre, apenas adaptados às circunstâncias.

Será que uma doutrina mais sólida se prestaria a essas atrocidades? Se concluirmos que a flexibilidade vem da mente e não da doutrina em si, sim, mas não acho que venha daí, porque é sempre o socialismo que é flexível, nunca nenhuma outra doutrina. Ou, na verdade, o socialismo é tão flexível que ele envolve e integra qualquer outra doutrina que seja minimamente compatível.

Talvez a flexibilidade esteja mesmo na mente, mas existe alguma relação entre a mente que desconhece a coerência e a lógica e a mente que se deixa atrair pelos slogans socialistas.